“Setembro Azul”: vamos falar de acessibilidade para surdos?

A trajetória de deficientes auditivos foi sempre de luta, inclusão e superação dos preconceitos da sociedade, e até hoje é assim. Para dar maior visibilidade a essa causa e conscientizar a sociedade sobre os desafios dessa comunidade, foi criado o “Setembro Azul”. A cor escolhida é uma referência a um momento sofrido na história do mundo e dos surdos. Durante a Segunda Guerra Mundial, os soldados nazistas amarravam fitas azuis nas pessoas com deficiência como identificação de que não faziam parte do ideal de “raça pura”.

Hoje, muitos surdos se orgulham de fazer parte de uma comunidade e muitos lutam para serem mais reconhecidos e terem acesso às experiências da vida, como todas as outras pessoas. Inspirados pela data, conversamos com alguns deles sobre as conquistas e os desafios de sua rotina.

A importância do mês

Na comunidade surda, há uma diversidade de tipos de surdez, e as formas de acessibilidade funcionam de maneiras diferentes para cada um delas. Um exemplo disso é a Libras, Língua Brasileira de Sinais, que não é entendida pelos surdos oralizados — esses entendem o que está sendo dito por meio da leitura labial.

A servidora pública Renata Braga, surda oralizada, é uma das pessoas que ainda se sentem muito excluídas da sociedade. “O surdo sinalizado, graças a Deus, pelo menos tem um intérprete em eventos sociais. Já, o surdo oralizado quer/precisa de legenda em tempo real”, relatou. A solução para atender todos os públicos, segundo Renata, seria exigir a legenda em tempo real, o closed caption (legenda oculta), em todos os eventos comemorativos.

Este mês, com todas suas datas comemorativas, é um símbolo de resistência. A artista Priscila Soares, surda no ouvido direito e com pouca audição no esquerdo, considera muito importante ter uma data que chame a atenção para o assunto. “Precisamos quebrar padrões antigos e criar mais acessibilidade e conscientização ao público. Datas como essa sempre serão fortes ferramentas de ajuda para esse tipo de causa”, comenta.

Orgulhosas conquistas

Entre as conquistas da comunidade surda, “Setembro Azul” está, sem dúvida, entre as mais importantes. “Isso cria uma oportunidade para que possamos compartilhar mais informações, histórias, eventos, postagens em redes sociais e outros conteúdos relacionado à perda auditiva”, como diz Priscila.

Outra importante conquista ocorreu em abril de 2002, quando LIBRAS foi reconhecida como meio legal de comunicação e expressão — a linguagem está inscrita na Lei Nº 10.436. Ainda sobre Libras, no dia 22 de dezembro de 2005, a Língua foi incluída como disciplina curricular dos cursos de formação de professores e de Fonoaudiologia.

Outra conquista recente foi a acessibilidade nas salas de cinema, pela Instrução Normativa da ANCINE. Essa Instrução obriga a inserção de closed caption (legenda oculta), LIBRAS e audiodescrição nos filmes, e entrará em vigor nos cinemas a partir de novembro deste ano, com 50% das salas disponibilizando os serviços.

Conscientização da sociedade

A comunidade surda tem muito mais visibilidade do que há 20 anos, mas ainda há um longo caminho pela frente. Como diz o arquiteto Alexandre Ohkawa, surdo oralizado e sinalizado, “ainda temos muito o que fazer e ainda existe preconceito, estigma e ignorância da informação. Falta desconstruir o ‘estigma’ da palavra ‘deficiente’, mudar a mentalidade, seus conceitos sobre a palavra e o preconceito pela falta de conhecimento”.

Esta busca por visibilidade e combate ao preconceito não deve ser só dos surdos, mas de todos que desejam garantir que eles tenham as mesmas vivências que pessoas ouvintes. “A sociedade precisa melhorar muito no sentido de incluir mais a pessoa surda.”, comenta Renata, “Integrar não basta estar presente no mesmo ambiente que os ouvintes, é preciso de mais doação de si mesmo”. A compaixão e a conscientização da sociedade irão ajudar a comunidade surda ter mais visibilidade e continuar a conquistar seus direitos.

A Steno, sendo pioneira em acessibilidade no Brasil, promove a inclusão dos surdos com serviços de closed caption, LIBRAS, transcrição de áudio, além do nosso tablet MobiLOAD®, que disponibiliza closed caption e LIBRAS em cinemas, teatros e eventos.

Para obter mais informações sobre nossos produtos, basta enviar um e-mail para steno@steno.com.br ou ligar para +55 (11) 3747-0100.