Setembro Azul: tempo de celebrar as conquistas da comunidade surda

Todo dia é dia de trabalhar por uma sociedade mais justa e inclusiva. No entanto, há datas em que esse trabalho ganha ainda mais significado. É o caso do nono mês do ano, conhecido como Setembro Azul. Ele foi escolhido para representar a luta e as conquistas de pessoas com deficiência auditiva. Agora vamos contar para você a história por trás dessa escolha. 

Uma decisão polêmica

Tudo começou em meados de junho de 2009, quando o Conselho Nacional de Educação tornou obrigatória a matrícula de alunos com necessidades especiais em escolas comuns do ensino regular. Esses alunos teriam atendimento educacional especializado. 

Com a decisão, em 2011 o MEC anunciou que o INES (Instituto Nacional de Educação de Surdos) e o Instituto Benjamin Constant, instituições fundamentais para a educação de pessoas com deficiência auditiva, teriam de fechar as portas.

A decisão foi polêmica e teve consequências imediatas. Em maio de 2011, organizou-se, em Brasília, uma manifestação nacional em defesa das escolas bilíngues para surdos. A reivindicação principal era ensino gratuito e de qualidade que utilizasse a Libras como primeira língua. A mobilização ganhou notoriedade, e as Comunidades Surdas de outros Estados também passaram a se organizar. Dessa soma de forças nasceram iniciativas importantes – entre elas, a data que hoje conhecemos como Setembro Azul.

Por que setembro?

O mês foi escolhido por reunir datas significativas para a comunidade surda. São elas:

  • Dias 6 e 11 de Setembro: dias tristes para a comunidade, pois remetem ao Congresso de Milão (1880), que proibiu o uso das Línguas de Sinais na Educação dos Surdos.
  • Dia 10 – Dia Mundial da Língua de Sinais
  • Dia 26 – Dia Nacional dos Surdos 
  • Dia 30 – Dia internacional do Surdo

Já a cor azul foi escolhida por ser associada à resistência, sobretudo na Segunda Guerra Mundial. Durante o conflito, os nazistas começaram a marcar todas as pessoas com algum tipo de deficiência com uma faixa azul no braço. Depois de identificadas assim, elas eram executadas. 

Mas a partir de 1999, a fita azul teve seu sentido invertido; começou a ser utilizada como símbolo de orgulho. Isto porque, naquele ano, aconteceu a Cerimônia da Fita Azul (Blue Ribbon Ceremony) no Congresso Mundial da Federação Mundial de Surdos, na Austrália. A ocasião homenageou surdos que foram vítimas da opressão nazista e em outros momentos históricos.

Um trabalho que não pode parar

Por tudo isso, setembro também é um mês muito importante para o Grupo Steno. Aqui, nós trabalhamos para que tanto pessoas com deficiência visual quanto auditiva sejam plenamente integradas à sociedade. Fazemos isso tornando conteúdos audiovisuais mais acessíveis – inserindo recursos como legendagem oculta (CC), audiodescrição e Libras (Língua Brasileira de Sinais) em programas de TV, filmes, séries etc. 

Por meio desse trabalho, renovamos diariamente o compromisso com uma sociedade mais justa e inclusiva. Este é o nosso propósito, e ele ganha ainda mais significado durante o Setembro Azul. Acreditamos ser essa a melhor forma de celebrar a luta e as conquistas da comunidade surda.