Intérprete de LIBRAS, um protagonista da inclusão

Segundo o IBGE, mais de 10 milhões de pessoas possuem algum tipo de deficiência auditiva no Brasil e dentre elas, boa parte não é oralizada. Essas pessoas, mesmo com legenda, não conseguem compreender o que está sendo dito em uma cena de um filme, aprender nas escolas ou compreender o que está sendo falado em uma palestra. Felizmente, para ajudá-las, existem profissionais que traduzem o que está sendo dito em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).

No próximo dia 26 de julho será comemorado o Dia Nacional do profissional Intérprete de LIBRAS. Esta data foi promovida pela comunidade surda a favor da valorização dessas pessoas que as auxiliam através da acessibilidade comunicacional

Esta língua de sinais chegou ao Brasil em 1857, quando Dom Pedro II convidou um surdo francês chamado Eduardo Huet para vir ao Brasil e fundar a primeira escola para pessoas com deficiência auditiva. Hoje, esse local é conhecido como o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Entretanto, a LIBRAS só foi reconhecida como idioma oficial e segunda língua do país em 2002. 

Como se tornar intérprete? 

Para exercer a profissão de intérprete de LIBRAS, regulamentada pela Lei nº 12.319/2010, é preciso realizar um curso de bacharelado em Letras – Libras e ter uma certificação da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos. Vale lembrar que após um determinado tempo, este certificado expira e é necessário realizar outros cursos de aprimoramento. 

Dentre todos os aprendizados, o estudante de LIBRAS é ensinado a realizar os gestos corretos com as mãos e também, entender as estruturas gramaticais para conseguir combinar as frases durante a tradução.

Além disso, é cobrado desse profissional uma boa conduta ética no momento da tradução em LIBRAS. O sigilo profissional, a imparcialidade e a fidelidade com a informação que está sendo passada são três pilares importantes para o intérprete. 

Aqui no Grupo Steno, contamos com colaboradores intérpretes de LIBRAS que nos auxiliam na entrega de conteúdos acessíveis para diversas plataformas. Karina Bueno é pedagoga e intérprete de LIBRAS há 6 anos. Ela colabora conosco desde 2017 e se sente orgulhosa por poder ajudar tantas pessoas a terem acesso à informação e ao lazer: “A satisfação de poder trabalhar com LIBRAS é muito grande. Através da LIBRAS, as pessoas com deficiência auditiva têm oportunidades iguais aos ouvintes.”

intérprete de LIBRAS em teatro
Karina Bueno traduzindo uma peça teatral em LIBRAS. Fonte: arquivo

Sendo assim, podemos dizer que o intérprete é uma ponte direta entre a pessoa com deficiência e o transmissor da mensagem. Karina também é responsável por aplicar provas teóricas do DETRAN em LIBRAS para as pessoas com deficiência auditiva do Estado de São Paulo e compartilhou conosco, uma história que ilustra muito bem a importância de sua profissão. 

“Um dia um aluno chegou para fazer a prova teórica no Centro de Formação de Condutores e com um semblante bravo me olhou e disse que se não passasse, a culpa era minha – ele já havia reprovado três vezes. Ao final da prova, ele recebeu a notícia que tinha conseguido passar e a alegria dele era tão grande, que me contagiou. Ele chorava e me agradecia por tê-lo ajudado. Naquele dia, eu fiz tudo o que podia para auxiliá-lo e deu certo. Isso pra mim não tem preço”, conta.

intérprete de LIBRAS em estúdio de gravação
Karina Bueno no estúdio de LIBRAS do Grupo Steno. Fonte: Grupo Steno

Oferecemos o serviço de LIBRAS de dois modos. No caso do modelo pré-gravado, o intérprete vai até um estúdio criado exclusivamente para isso, com iluminação-padrão e fundo chroma-key (de cor verde que facilita na edição). Esse formato é ideal para séries, comerciais, programas de televisão e filmes. Já em transmissões, palestras e teatros, existe a possibilidade de intérpretes realizarem a tradução em tempo real, seja de forma física ou remota – através do LIBRAS Stream

Nós, do Grupo Steno, agradecemos a esses profissionais que se dedicam fortemente para a inclusão e autonomia de toda a comunidade surda. Sigamos juntos!